A biblioteca do diabo – Revista Bula

A regra para permanecer na minha prateleira — reparei nisso depois de quase 35 anos — a regra sempre foi a cor da pele, a truculência, o machismo e a misoginia. Devo agradecer, em primeiríssimo lugar, à tia Regina Dalcastagne da UNB, depois aos jurados dos concursos e curadores de feiras literárias, e aos coletivos de literatura das periferias, especialmente aos organizadores da Flup (festa literária das periferias) por me alertarem sobre esse lapso, ou melhor, para minha falta de caráter: pois nunca suspeitei que minha biblioteca podia ser estruturalmente machista e racista. Bem, nunca é tarde para mandar Graciliano Ramos para o lixo, autor declaradamente homofóbico e racista. Pretendo incendiá-la, e começar do zero. A ideia é preencher as prateleiras com escritoras que foram riscadas do mapa pelo patriarcado opressor.

Continuar leitura em Revista Bula…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: