O Sentido de Ser

Extraia a ficção de minhas crenças,
Minha subjetividade sobre aquilo que não apresenta nenhuma evidência
E o que sobrará será somente a carcaça
de um animal que se acha inteligente

Estudei
Trabalhei
E me casei por um propósito que se perdeu entre a complexidade dos meus pensamentos
E a fraqueza disso, que talvez não seja
Mas que insisto em chamar de alma

Por mais que eu tenha conquistado tudo!
Sem um propósito é como se eu não houvesse alcançado absolutamente nada!

Apeguei-me à inteligência dos livros
À sensação de sentido da ciência
À endorfina dos exercícios
Aos nutrientes das dietas
Às demais químicas nos comprimidos
E a todo o restante da realidade!
Por medo de perde-la
Cravei minhas unhas na objetividade

Para enfim ter um corpo vigorosamente saudável
Abrigando uma alma completamente fria

Incontáveis são os que sofrem do desconforto de simplesmente acordar
E existir
Os que sofrem da consciência de ter a própria existência
Equipara ao último molar escondido na mandíbula de um ser da nossa espécie
Equiparada ao advogado de defesa que acordou para proteger o réu de um crime político
No tribunal de uma ditadura!

Houve o dia em que me dispus a beber sozinho
E a de forma inevitável observar os outros seres

Como se tudo fosse óbvio
Eles se encontram, conversam e riem
Como se tudo fosse óbvio
Eles preenchem as cadeiras dos botecos
Sem sofrer da necessidade de se perguntar o por quê de fazer isso
Mas eu, feito idiota, me pergunto:
De que serviriam as sextas-feiras
Se nenhum deles acreditasse misteriosamente em como as coisas devem ser?

A solução da Natureza
Para as perguntas de uma mente sem respostas
Foi criar um mecanismo de defesa
Cujo propósito é simplesmente:
Crer
Mas eu, feito idiota, me pergunto e não acredito

Bêbado
Roguei aos céus, aos santos, aos deuses, a Deus!
Ao mais clichê dos entes metafísicos!
A solução não veio

Sóbrio
Vencido!
Desacreditado, mas com o profundo desejo de conseguir acreditar
Atravessei o parapeito de uma ponte para tremendo
Mirar a minha queda:
– “Não! Não posso.”
Ah! Mas nem que eu pudesse!
Se eu tivesse a coragem para o último passo em direção à súbita não-existência
A redirecionaria para viver na sensação de estranheza deste mundo
Sem consolo
Sem metafísica
E sem respostas

E da persistência que a metafísica tem em continuar existindo como sonho
Do meu sofrimento na sua ausência
Tenho a certeza de que ela é um fruto da evolução
Servindo como método de organização
Para o caos e sua estranheza

8 comentários em “O Sentido de Ser

  1. Profundamente profundo e eu digo mais, é consegui enxergar a mim mesmo. Olhando de cima da ponte , não sei quem você é, mas apesar de ser o desconhecido pareceu que me conheces bem. Parabéns

    Curtido por 2 pessoas

  2. Baita texto parabéns, me lembrou o filme A felicidade não se compra, um homem está numa ponte e vai ar o passo, um anjo aparece e mostra como a vida dele foi, é importante, muito bom, clássico dos anos 50, 60 acho. E no fim, acho, que crer ou não é “apenas” uma escolha. Cada um faz a sua e no seu tempo, nenhuma pessoa poderá lhe convencer disso ou daquilo, penso que é um momento uma escolha que a pessoa fará entre o Deus ou o nada…

    Curtido por 1 pessoa

  3. Estranho este teu poema por uma questãozinha besta. Ora, veja você, poeta, o caso é que você comenta, comentou sobre uma visita que lhe fez a metafísica! E eu, veja só, euzinho, estava lendo, estou lendo o PÓS DEUS de Peter Sloterdijk. E nosso bom Peter comenta que a aventura humana no mundo, muito antes de poder ser lida à luz da metafísica (modernamente, diríamos ontologia) deve ser lida à luz do Direito. Sloterdijk escreve que a aventura do homem sobre a terra deve ser lida à luz do Direito como um contrato. Um empréstimo. Deus todo-poderoso nos empresta a alma (você também pode falar do Ser. A modernidade, essas coisas…). Ao fim e ao cabo, por outra, morremos e aí o Senhor nosso Deus recebe a alma de volta, vez que emprestada. Aí verifica o Senhor (nosso deus, você sabe) se a alma está intacta, tal como foi entregue ao vivente (…o locatário se compromete a entregar o imóvel no estado em que o recebeu…). E, ó terror, se não íntegra a alma o Senhor, o locador último, pode nos punir por quebra contratual. Falei, escrevi, demais. O senhor (que é você, poeta) me perdoe a prolixidade. Infinilhões de abraços, se me permite a citação perrengue de Guimarães, o Rosa.

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: